19 dezembro 2016

[ Resenha ] Branco | Priscila Baroni



   Olá pessoal!
   Tudo bem?
   Espero que esteja tudo bem.
   Hoje venho deixar  minha resenha do livro Branco escrito pela Priscila Baroni e publicado pela Editora Autografia.
   Conheça minha opinião:

“ Cada Gota de chuva era como ácido em sua pele. As gotas eram pesadas e, a cada toque, produziam uma dor lancinante.”
 ( pág. 05 )


. Dados Sobre o Livro:

- Autor: Priscila Baroni
- Editora: Autografia
- 1ª Edição
- Ano: 2016
- 372 Páginas
- ISBN: 978-85-5526-632-4
- Gênero: Fantasia
-  Skoob: Branco

. Sinopse:

No Bosque das Vozes, uma garota acorda. Quem ela era? A garota descobre que não é a única pessoa buscando por essa resposta. Todos os que um dia apareceram por aquelas terras surgem sem memórias, sem saber quem são e como foram parar ali. Algo tira suas lembranças, mas o quê? Acolhida por apreensivas crianças, a menina percebe que está em uma pequena aldeia pertencente a um reino maior, comandado por um rei tirano que conquistara seu poder com guilhotinas. Ela logo descobre que não possuir memórias não é o problema, mas sim o seu próprio surgimento. Todos sabem que os neonatos aparecem apenas na Cidade Real e em nenhum outro lugar. Então por que aparecera no meio do Bosque? Por que via imagens em seus sonhos como lembranças apagadas por um grande borrão branco? Incontáveis perguntas sem respostas fazem com que encontre apenas uma solução para não ser notada: viver uma vida pacata com os moradores da aldeia, seus novos amigos e um velho vendedor de ervas medicinais que a acolheu. Porém, eventos inesperados farão com que o curso de sua vida seja alterado. Capturada, a garota se depara com novas descobertas que poderão mudar completamente sua história e a de todos os moradores do reino. Basta saber se as mudanças serão boas ou se seu pescoço irá arder o suficiente para fazer sua cabeça rolar.

“ É engraçado pensar que estamos tão acostumados as pessoas não sabendo de nada e mesmo assim ficamos surpreendidos por você não conhecer como as coisas funcionam por aqui.”
 ( pág. 23 )

Uma História Muito Boa

      Com uma leitura bem instigante, Branco trouxe uma história curiosa e conseguiu surpreender bastante, mesmo não sendo meu gênero favorito, mas que surpreendeu este ano.
      A história começa com uma garota deitada em meio a diversos galhos e folhas derrubadas no bosque das Vozes, sem saber quem é, de onde veio e como foi parar ali. Por mais que tentasse se lembrar, tudo o que vinha em sua mente, era um grande borrão branco e não conseguia obter  nenhuma lembrança do seu passado.
      Apavorada com a situação, a menina começou a correr pelo bosque, porém foi encontrada por três jovens, Damian, Theodore e Mandisa, que estavam carregando objetos descartados pelo Rei e levavam para o orfanato que moravam.
     Com os olhos cheios de lágrimas, a menina contou para os jovens que não sabia como tinha chegado ao bosque  e  eles perceberam que se tratava de uma neonáta.
      Os neonatos  são pessoas recém chegadas ao reino chamado Cidade Real. Essas pessoas, simplesmente não possuem memórias a longo prazo e são colocadas amontoadas numa carroça antes que acordem e se espalhem por aldeias que permeiam o reino, sem autorização do Rei Matteo Lupino.
      A maioria delas acordam dentro das carroças sem nenhuma lembrança do que faziam antes, de quem eram e acabam sendo levadas  e recebidas  pelos soldados do rei. Esse grupo de soldados são chamados de Homens Lupus ou  elitizados. Geralmente são rígidos com os novos neonatos, obrigam todos os novatos a passarem por uma triagem cuidadosamente  para eles não se perderem e serem encaminhados devidamente para as aldeias corretas. 
     Mas quando Damian, Theodore e Mandisa percebem que a garota  não chegou como os outros neonatos da Cidade Real, eles resolvem ajudá-la levando para o orfanato da aldeia, antes que os homens do rei descobrissem sobre a garota e viessem atrás da garota para castigá-la.
      Contudo, ao chegar à aldeia a menina é descoberta pelo um velho homem, dono de uma loja de ervas medicinais, chamado Sr. Nicolini e pelo Heinz o mais novo Homem Lupus do rei. Neste mesmo momento a garota começa ter uma vaga lembrança do passado e pede a todos que a chamem de Alice.
      A história conseguiu ser bastante muito boa, mas confesso que demorei um pouco embarcar na aventura da trama, primeiro porque a leitura deixou a mesma sensação da Alice. Entrando em um cenário totalmente desconhecido e com poucas informações. No entanto, a autora começa esclarecer a trama com várias informações, não deixando nenhuma ponta solta e mostrando que o universo que ela criou está repleto de fantasia e magia.
     A escrita da Priscila é tão agradavel que adorei a maioria dos personagens. Especialmente  Alice, que mostrou ser uma personagem audaciosa e cheia de mistérios que aumentou a curiosidade pela leitura. Enfrentou obstáculos pelo inimigo, além de ter  uma jornada de descoberta fantástica, juntamente com o trio de amigos maravilhosos.
     A capa é simples, mas ao mesmo tempo ela se torna instigante durante a leitura. A diagramação está muito boa nas folhas amareladas que o enredo desenvolve rapidamente.
     Enfim... Foi uma leitura bem prazerosa que valeu bastante. Recomendo à todos os leitores que gostam de fantasia e literatura nacional de qualidade.



“ Com os cabelos escuros até os ombros, a mulher de olhos puxados, olhou a garota com uma expressão surpresa. Aquilo tudo era demais para Alice. Como uma sombra se movendo nas profundezas de sua mente, o rosto da mulher agitava-se e crescia em suas lembranças.”
  ( Pág. 171 ) 

   . Sobre a autora:

     Priscila C. Baroni nasceu em São Paulo. Apaixonada por leitura desde cedo, a autora é fã de histórias de fantasia, ficção científica e aventura, o que a incentivou a escrever. Apesar de já ter escrito artigos para revistas científicas em sua profissão como bióloga, Branco é sua primeira obra na literatura.

    .  Já leu Branco?
    . Então antes de ir embora, deixa seu comentário. Vamos adorar lê-lo.