26 maio 2017

[ Resenha ] Desafio de Leitura #12mesesdepoe – O Gato Preto


     Olá Pessoal!
     Tudo bem?
     Hoje eu estou trazendo a quinta resenha do projeto de Leitura Coletiva das Obras de Edgar Allan Poe 2017, organizado pelo Blog da Anna Costa.
     Venha conferir:


      



 Desafio de Maio
 

 O Gato Preto


     O Gato Preto  é o quinto conto que leio em 2017, para o projeto leitura coletiva das obras de Edgar Allan Poe, onde todos participantes irão ler um conto por mês durante o ano e este conto foi publicado pela primeira vez em 1943.
    A história inicia-se  com o narrador confessando sua grande ternura por animais, desde a infância. Preferia a companhia dos animais e passava a maior tarde de seu tempo com eles, pois assim se sentia feliz.
    Com o passar dos anos, o narrador teve a felicidade de casar-se  com uma mulher que também apreciava carinhosamente os animais e o casal tinha em casa pássaros, peixes dourados um lindo cão coelhos e um belo gato preto que ganhou o nome de Plutão.
    Plutão era o animal preferido do narrador e o gato o acompanhava por toda parte da casa.  Por muitos anos a amizade dos dois era fiel e muito bonita. Porém o narrador começou apresentar alterações de humor. Tornou-se taciturno, descuidoso com todos os animais e violento  com a esposa, devido ao uso de bebidas alcoólicas.
   Certa noite, o narrador voltou para casa embriagado e agarrou o gato com violência. Amedrontado, o gato mordeu a mão do dono e o narrador, por sua vez, tomado de uma enorme fúria incontrolável, tirou do bolso do colete um canivete e arrancou um dos olhos do Plutão.  Quando amanheceu, o  narrador  teve  um enorme remorso ao ver o gato naquela situação  de crueldade  e novamente  mergulhou na bebida.
   Enquanto os dias se passaram, o narrador relata que o  gato conseguiu sarar, porém passou ter uma aparência horrível e voltou a caminhar pela casa como de costume. Mas fugia  com extremo terror quando presenteia a presença do narrador pela casa. Irritado e insatisfeito, o narrador enforcou o gato numa árvore com lágrimas nos olhos, pois tinha a consciência que estava cometendo um pecado mortal.
   Como consequência da sua crueldade, naquela mesma noite, ele foi despertado com a casa pegando fogo. Quando amanheceu o narrador foi ver o que restou do incêndio e percebeu que apenas uma parede permanecia em pé e o narrador deve a impressão da imagem  de um gato com uma corda no pescoço reproduzida com perfeita nitidez na parede.
    Após meses, o narrador estava meio embriagado, observou um objeto repousando em cima do barril de rum e descobriu  um gato semelhante ao Plutão, mas com uma mancha branca. Ao tocar no gato ronronou satisfeito e rapidamente o narrador se apegou ao gato.
    No entanto os sentimentos de ódio retornaram no momento  que ele tropeçou  no gato. Enfurecido, o narrador pegou um machado para  por fim no gato, mas dessa vez, quem caiu morta foi sua esposa.
    Edgar Allan Poe mostrou neste conto, como um homem pode perder a insanidade completamente e chega ao extremo por causa da bebida. Tornando-se refém da própria loucura.
    O conto deixará alguns leitores incomodados, pois  Poe  descreve as cenas de violência  com transparência e os atos  do narrador pode chocar um pouco. Contudo para os leitores meio sombrios, que apreciam uma história de suspense e terror, o conto é excepcional.
    É rico e faz refletir sobre a perturbação mental humana. Principalmente o desfecho que desvenda o mistério em torno do gato preto. Vale a pena demais!
    Enfim, recomendo que experimente a escrita de Poe, pois é simplesmente sensacional. Poema lido e  Conto do desafio #12mesesdepoe do mês Maio resenhado maravilhosamente.




“Meu imediato propósito é apresentar ao mundo, plena, sucintamente e sem comentários, uma série de simples acontecimentos me aterrorizaram, me torturaram e me aniquilaram.”





   . Conheça as outras resenhas dos contos do desafio #12mesesdepoe:


    
      Já leu o conto?
      Comente sobre ele. Sua opinião é muito importante para o blog.
      Deixe seu link para que eu possa retribuir.
     Obrigada e volte sempre. 



 renata massa