20 julho 2017

[ Resenha ] Hellraiser - Renascido do Inferno | Clive Barker



    Olá pessoal!
    Tudo bem?
    Hoje eu vou deixar minha resenha do livro Hellraiser – Renascido do Inferno com escritor Clive Barker publicado pela Editora Darkside.
     Venha conferir minha opinião.



“ Poucos ousaram utilizar a configuração de Lemarchand. 
Homens como você, famintos por novas possibilidades, que ouviam dizer que possuímos habilidades desconhecidas em seu mundo.”  
 ( Cenobita – pág. 20 )





. Dados Sobre o Livro:
- Título Original: The Hellbound Heart
- Autor: Clive Barker
- Editora: Darkside
- 1ª Edição
- Ano: 2015
- 160 Páginas
- ISBN:  978-85-66636-69-7
- Tradução de: Alexandre Callari
- Sinopse:   Escrito em 1986, Hellraiser – Renascido do Inferno apresentou ao público os demoníacos Cenobitas, personagens criados por Clive Barker que hoje figuram no seleto grupo de vilões ícones da cultura pop como Jason, Leatherface ou Darth Vader. Toda a perversidade desses torturadores eternos está presente em detalhes que estimulam a imaginação dos leitores e superam, de longe, o horror do cinema.  Clive Barker escreveu o romance Hellraiser – Renascido do Inferno (The Hellbound Heart, no original) já com a intenção de adaptá-lo ao cinema. O cultuado filme de 1987 seria sua estreia na direção, e ele usou o livro para mostrar todo seu talento como contador de histórias a possíveis financiadores. 




 
“ Não havia prazer no ar; ou pelo menos, não como a humanidade o entendia. 
Ele cometera um erro ao abrir a caixa de Lemarchand.”  
 ( Pág. 26 )



 Fascinante!

      Hellraiser é um dos filmes do gênero terror que eu gosto bastante e  sempre que possível, eu assisto. Entretanto, hoje eu quero falar sobre a minha experiência literária em ler Hellraiser, um livro que foi publicado em 1986, mas que ganhou uma edição maravilhosa em 2015 pela Editora Darkside Books.
     A história começa com  personagem Frank Cotton, sentado dentro de um quarto totalmente escuro, compenetrado em resolver o quebra cabeça  da caixa  de Lemarchand.
     Frank  havia adquirido a caixa de um chinês  chamado Kircher, que afirmou para Frank que quem  desvenda-se o enigma da caixa  de  Lemarchand abriria um novo mundo e os Cenobitas, teólogos da Ordem de Gash, ofereciam  experiências  jamais presenciadas  pelos humanos.
     Alucinado por qualquer tipo de prazer e criando  uma imensa expectativa que pudesse libertar do desapontamento sexual, Frank  esperava que a caixa fosse suprir os prazeres que tanto desejava.
     Porém quando Frank ficou de frente com os Cenobitas, não imaginou que eles poderiam ser tamanho tormento, pois para os Cenobitas, prazer tinha outro significado e Frank foi arrastado para o mundo deles completamente mutilado,  para encontrar apenas desespero e muita dor.  
     Algum tempo depois, Roy irmão de Frank e sua esposa Julia, mudaram para casa que Frank  realizou o ritual para encontrar os Cenobitas. Em um dos quartos que são localizados  no andar superior, Julia começou sentir uma forte presença e no momento que observava o quarto escuro e úmido, Roy  chegou perto dela com a mão ensanguentada, devido ao um corte na mão e o sangue  de Roy pingou no chão desse mesmo quarto, libertando Frank do mundo dos Cenobitas.
     Após uns dias, Julia novamente sentiu uma presença no quarto úmido, mas ao entrar no cômodo, ela escutou uma voz medonha saindo das paredes, afirmando que é Frank. Rapidamente Julia reconheceu a voz que implorava por mais sangue para voltar à vida e Julia concordou em ajudá-lo, pois ainda recordava do pequeno envolvimento que teve com cunhado no passado. 




     Durante a leitura, ficou impossível não pensar no filme, pois as cenas que contém no filme são fiéis ao livro, contudo o inicio do livro é detalhista durante a presença dos Cenobitas com Frank e o ritual que ele precisou fazer  para chegar até eles. Isso deixou a versão literária extremamente rica e fascinante na medida exata.
     A leitura é bastante instigante e mesmo tendo  duas diferenças  bem notáveis com o filme, ainda ficou impossível de dar uma pausa durante a leitura. Minha vontade era ler sem interrupções, mas quando tinha que fazer uma pausa, eu desejava retornar  o mais rápido possível.
     A edição é caprichada maravilhosamente, ao ponto deixar qualquer fã dos filmes Hellraiser  sem palavras, mérito da Darkside que deixou o livro digno de colecionador. A capa é toda em material de couro sintético, contém o desenho da caixa Lemarchand aberta  e contém uma fita de cetim preta como marca página. 
    A diagramação está boa, possuem alguns desenhos da caixa de Lemarchand no início  e um coração humano no final de cada capítulo. Também  contém imagens na últimas páginas, do personagem conhecido como  Pinhead, o líder dos cenobitas. Ele consiste vários  pregos cravados em seu crânio.
    O livro  pode parecer que contém uma história simples, mas para quem conheceu a franquia Hellraiser, assim como eu, é fascinante ter essa obra prima nas mãos. Reafirmo, é uma edição de colecionador!
    Eu recomendo para todos que adoram gênero do terror, pois mesmo que o livro seja curto é uma história que vale muito a pena ler e ter na estante.


 


 “Os dois podiam salvar um ao outro, da forma que os poetas prometiam que amantes fariam. Ele era um mistério, ele era trevas, ele era tudo com que ela sempre sonhara.
 E, se ela o libertasse, ele a serviria.” 
 ( Pág. 67 )

      

        . Sobre o Autor:

        Clive Barker (Liverpool, 5 de outubro de 1952) é um escritor, produtor de cinema, pintor e dramaturgo inglês. Clive Barker escreve o que costuma descrever como literatura Fantástica e horror. Em 2007 concluiu seu trabalho no game "Jericho". Neste momento vive em Los Angeles com o seu marido David Armstrong.

   
    
    Já leram Hellraiser – Renascido do Inferno?
    Comente sobre ele. Sua opinião é muito importante para o blog.
    Deixe seu link para que eu possa retribuir.
    Obrigada e volte sempre. 



 renata massa