08 agosto 2017

[ Lançamento ] Sob o Olhar Obtuso da Morte – Darlon Carlos



   Olá pessoal!
   Tudo bem?
   Hoje eu quero apresentar para vocês o lançamento do livro Sob o Olhar Obtuso da Morte, escrito pelo Darlon Carlos que está sendo publicado pela Editora Buriti






Páginas: 100
Autor: Darlon Carlos
Acabamento: brochura
Tamanho: 14 x 21
Sinopse: Segundo vários dicionários obtuso significa: “pessoa ou coisa rude; com pouca inteligência; bronco ou estúpido”. Isso que algumas pessoas irão pensar ao ver um anão de circo puxando uma carroça com um caixão dentro! Um esquife onde se encontra a única mulher que ele amou; porém que cometeu suicídio. O último desejo de sua mulher era ser enterrada em solo sagrado. Mas, como cometeu um pecado capital, todos os pedidos lhe foram negados. Agora ele se encontra em uma peregrinação para encontrar um lugar de descanso, para aquela que um dia foi sua amada. Por que ele não mente para os clérigos? Por qual motivo ele está se deparando, no caminho, com os mais famosos personagens do folclore brasileiro e internacional? Qual o motivo que levou um padre, com uma Winchester e uma Walther PPK, ir ao encalço dele? Todas as respostas estão nesse livro: ‘Sob o olhar obtuso da morte’.  Leia e descubra que nem tudo que falaram para você sobre os mitos e folclores era mentira!

  

Preço exclusivo de pré-venda!
De R$44,90 por R$ 36,90!

Compre já!
  



    . Sobre o autor:

      Darlon Carlos é natural do Rio de Janeiro e mora, atualmente, na Baixada Fluminense. Formado em Biblioteconomia pela UNIRIO (Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro). Gosta de ler livros de mistério, policiais, terror, realidade fantástica e ensaios. Curte ler revista em quadrinhos, nacional e internacional, sempre procurando boas histórias. Buscando apresentar, pela literatura folclórica, os mitos e costumes que o Brasil tem a oferecer ao mundo. 

 
    Gostaram do lançamento?
    Comente sobre ele. Sua opinião é muito importante para o blog.
    Deixe seu link para que eu possa retribuir.
    Obrigada e volte sempre. 


 renata massa