16 de outubro de 2017

[ Resenha ] Desafio de Leitura #12mesesdepoe – A Máscara da Morte Vermelha ou A Máscara da Morte Rubra



     Olá Pessoal!
     Tudo bem?
     Hoje eu estou trazendo a Décima resenha do projeto de Leitura Coletiva das Obras de Edgar Allan Poe 2017, organizado pelo Blog da Anna Costa.
     Venha conferir:



Desafio de Outubro


A Máscara da Morte Vermelha ou A Máscara da Morte Rubra


     A Máscara da Morte Vermelha ou A Máscara da Morte Rubra é o décimo conto que leio em 2017, para o projeto leitura coletiva das obras de Edgar Allan Poe, onde todos participantes irão ler um conto por mês durante o ano e este conto foi publicado pela primeira vez em 1842.
    A história começa falando sobre uma epidemia de peste rubra que provocava dores fortes, sangramento e durante meia hora a vítima chegava à morte. Com isso, a população sofria com a contaminação da doença devastadora no país.
    Porém existia o príncipe prospero, um governante completamente egoísta,  que era feliz e sagaz. Tudo para ele estava lindo e maravilhoso, enquanto a população estava sendo morta  pela peste.
    Certo dia, o príncipe convocou os cavaleiros, damas e nobres da sua corte, para retira-se com ele  para sua abadia fortificadas com uma estrutura extensa e magnífica, para todos ficarem protegidos da epidemia que assolava o  reino.
    Nesse meio-tempo, o príncipe oferecia aos seus convidados várias diversões com vinhos, dançarinos, músicos, bufões  e improvisadores. Contudo,  próximo ao final do quinto ou sexto mês impedindo que ninguém entrasse ou saísse do recinto, o príncipe resolveu oferecer  um extravagante baile de máscaras para os convidados.
    Foram separados sete aposentos para oferecer o baile e cada aposento tinha um tema em destaque para entreter os convidados. Entretanto,  havia um aposento com um  relógio de ébano gigantesco na parede e toda vez que ele tocava as badalas, os convidados tinham que parar o baile para ouvi-las.
    Quando o relógio  tocou doze badalas informando que era meia-noite, um dos convidados percebeu uma presença entranha no baile. Uma figura sinistra, com roupas do túmulo e máscara que ocultava as feições e ao mesmo tempo deixava um semblante de um cadáver.
     Vou parar por aqui, porque não quero deixar spoiler, mas recomendo que leiam este incrível conto de Edgar. O conto impressiona, principalmente no desfecho. Durante a leitura deu um friozinho na nuca, porque  eu li à noite e fiquei imaginado as badaladas do relógio com aquela figura bizarra no baile.
    Continuo afirmando que vale a pena conhecer a escrita de Edgar Allan Poe. Experimente, pois é simplesmente empolgante. Sempre deixa  uma impressão de que todo o universo gira em torno do enredo que esta desenvolvendo e provocando um  final sensacional.
   Poema lido e  Conto do desafio #12mesesdepoe do mês Outubro resenhado.



 


"Enquanto a Morte Rubra dizima o povo, o Príncipe encastela-se em uma de suas propriedades, inviolável construção, onde a peste jamais poderia adentrar. Blindando sua fortaleza das emanações da terrível epidemia, promove festas, bailes e todo o tipo de diversão. E lá permaneceria enquanto o mundo não anunciasse o fim do perigo. Num desses bailes, no entanto, uma presença chama a atenção de todos aqueles que se julgam invulneráveis."


   . Conheça as outras resenhas dos contos do desafio #12mesesdepoe:

    
      Já leu o conto?
      Comente sobre ele. Sua opinião é muito importante para o blog.
      Deixe seu link para que eu possa retribuir.