14 novembro 2017

[ Resenha ] O Código da Vinci | Dan Brown



   Olá pessoal!
   Tudo Bem?
   Hoje eu trago para vocês a resenha do livro O Código da Vinci, escrito pelo Dan Brown e publicado pela Editora Arqueiro.



“A incompreensão gera a desconfiança, refletiu Langdon.” 
(pág. 40 ) 



. Dados sobre  o livro:

. Título Original: The Da Vinci Code
. Autor: Dan Brown
. Editora: Arqueiro
. 1ª Edição
. ISBN: 85-99296-12-4
. Ano: 2012
. 368 Páginas
. Tradução de: Celina Cavalcante Falck-Cook
. Sinopse: Um assassinato dentro do Museu do Louvre, em Paris, traz à tona uma sinistra conspiração para revelar um segredo que foi protegido por uma sociedade secreta desde os tempos de Jesus Cristo. A vítima é o respeitado curador do museu, Jacques Saunière, um dos líderes dessa antiga fraternidade, o Priorado de Sião, que já teve como membros Leonardo da Vinci, Victor Hugo e Isaac Newton. Momentos antes de morrer, Saunière consegue deixar uma mensagem cifrada na cena do crime que apenas sua neta, a criptógrafa francesa Sophie Neveu, e Robert Langdon, um famoso simbologista de Harvard, podem desvendar. Os dois transformam-se em suspeitos e em detetives enquanto percorrem as ruas de Paris e de Londres tentando decifrar um  intricado quebra-cabeças que pode lhes revelar um segredo milenar que envolve a Igreja Católica. Apenas alguns passos à frente das autoridades e do perigoso assassino, Sophie e Robert vão à procura de pistas ocultas nas obras de Da Vinci e se debruçam sobre alguns dos maiores mistérios da cultura ocidental - da natureza do sorriso da Mona Lisa ao significado do Santo Graal. Mesclando com perfeição os ingredientes de uma envolvente história de suspense com informações sobre obras de arte, documentos e rituais secretos, Dan Brown consagrou-se como um dos autores mais brilhantes da atualidade. "O Código da Vinci" prende o leitor da primeira à última página.



“Descobrir a verdade tornou-se a paixão da minha vida – disse Teabing. – E o Sangreal pe minha amante predileta.”
 ( pág. 197 ) 



Fantástico!

    O Código da Vinci foi o primeiro livro que li do autor Dan Brown. A primeira vez que aventurei nas páginas dele foi em 2012. Eu não tinha blog e nem imaginava que um dia estaria  deixando minha opinião sobre este livro fantástico, por isso, ele sempre esteve no topo dos livros que mereciam uma releitura.
    Eu optei em ler pela ordem que foi publicada no Brasil, porque foi da maneira que conheci a escrita do autor. Mas na ordem cronológica o livro Anjos e Demônios foi publicado anterior ao Código da Vinci em outros países.
   Com um enredo polêmico, a história começa dentro do Museu do Louvre em Paris. O renomado curador chamado Jacques Saunière foi  assassinado por um albino de olhos fantasmagóricos.
   Antes de matar o curador, o assassino queria saber um segredo guardado pelo Jacques por muitos anos, mas a única informação que o albino conseguiu arrancar do curador foi uma mentira.
   Algumas horas depois, Robert Langdon,  um professor de história da arte e simbologia da Universidade de Harvard, é acordado pela recepção do hotel, avisando que o tenente Jérôme Collet da Diretoria Central da Polícia Judiciária Francesa estava á caminho do quarto que ele estava hospedado em Paris.
    Robert estava sendo convocado para ir até o Museu para ver o corpo de Jacques Saunière, pois eles tinham um encontro marcado após a palestra do professor, mas Saunière não compareceu.
     Dentro do Louvre, Robert é conduzido pelo estava o capitão Bezu Fache  para a cena do crime. O corpo de Jacques Saunière é encontrado inteiramente nu, deitado de barriga para cima com braços e pernas esticadas e bem abertas.
     No seu abdome havia um pentagrama desenhado com sangue e logo abaixo um ferimento de bala que provocou seu falecimento. O mais estranho disso tudo, é saber que foi o próprio Jacques Saunière que fez o pentagrama e posicionou daquela forma pouco minutos antes de morrer.
    Cheio de incertezas, o capitão Bezu resolve fazer diversas perguntas ao Robert. O professor responde todas as perguntas do capitão, porém Bezu revela para Langdon um enigma iluminado com luz negra ao lado do corpo Saunière com o propósito de descobrir mais algumas informações.
     É neste instante que a criptógrafa francesa  Sophie Neveu aproxima da área do crime e entrega um celular para Robert  informando que tinha  uma mensagem urgente e precisava entrar em contato com a Embaixada dos Estados Unidos. 


     Enquanto Langdon escutava a mensagem que a própria Sophie havia gravado, a moça informava para Bezu o resultado da criptografia deixada ao lado do corpo de Saunière  e vai embora.
     Atordoado, Robert retorna para perto de Bezu e avisa que precisava ir ao banheiro. Chegando lá, Robert  encontra com Sophie e ela conta para o professor Langdon que o capitão Bezu havia levado ele até o corpo do curador, porque estava sob suspeita de ter matado Saunière.
    A partir deste ponto com a ajuda de Sophie, Robert começa aventura para descobrir quem matou o curador, por qual motivo Saunière  foi assassinado e por que queriam criminá-lo pela morte do curador. 
     Jacques Saunière tinha deixado várias pistas ocultas e enigmas pelo museu, especialmente nas obras de Leonardo da Vinci. O que Robert e Sophie não imaginavam encontrar no mistério do assassinato de Saunière, o envolvimento do curador com uma sociedade secreta que contém um segredo milenar que poderia mudar radicalmente toda a visão que temos  sobre a igreja.
    O livro envolve a religião em várias questões que são consideradas importantes e sérias. Também menciona a sociedade secreta chamada Priorado de Sião, onde  tinha inúmeros membros e entre eles o famoso Leonardo da Vinci, além da organização católica profundamente conservadora conhecida como Opus Dei.
    Não vou entrar nos fatos polêmicos citados e nem o que eu acho verdadeiro ou falso na história. O que realmente é interessante no livro é proposta de um enredo bem construído, inteligente e cheio de especulações. Decifrando segredos da simbologia oculta com  um instigante quebra-cabeça que chamou minha atenção completamente.
    Um dos momentos que merece destaque, é o trecho que Robert e Sophie  estão na vasta propriedade do personagem Sir.Leigh Teabing. Durante a conversa são citados segredos escondidos no quadro de Leonardo da Vinci chamado Última Ceia e sobre Maria Madalena e o Santo Graal. Acho este trecho incrível!
   Entretanto a fé é um sentimento muito importante e pessoal, por isso eu não aconselho este livro para leitores cristãos que levam a fé muito a sério, pois poderá ficar ofendido com os fatos que contém na trama mesmo sabendo que é uma obra de ficção.
    Falando um pouco da edição, a diagramação está simples, mas impecável nas folhas amareladas do papel Pólen. A capa contém tons avermelhados e a imagem do olhar de Mona Lisa, obra pintada por Leonardo da Vinci no século XVI. A minha edição é econômica, não possui orelha, o espaço é um pouco reduzido, mas contém algumas ilustrações de símbolos.
    Enfim, finalizo minha impressão de um livro sensacional que vou reler daqui uns anos novamente. Se você ainda não leu O Código da Vinci e tem curiosidade pela história, leia a obra e tire suas próprias conclusões!


 


“Quando não existe resposta correta para uma pergunta, só há uma resposta honesta. O silêncio.”
 ( pág. 338 )



  

  . Sobre o Autor:

      Dan Brown é o autor de suspense mais popular da atualidade, com mais de 150 milhões de livros vendidos. Seu mega-seller O Código Da Vinci já vendeu mais de 80 milhões de exemplares em todo o mundo. Ele também escreveu Anjos e Demônios, O Símbolo Perdido, Inferno, Fortaleza Digital e Ponto de Impacto. Dan é casado com a pintora e historiadora da arte Blythe, que colabora nas pesquisas de seus livros. Ele mora na Nova Inglaterra, nos Estados Unidos.

     Já leram O Código da Vinci?
     Comente sobre ele. Sua opinião é muito importante para o blog.
     Deixe seu link para que eu possa retribuir.
     Obrigada e volte sempre.