09 junho 2017

[ Crítica ] O Último Jantar

    Olá pessoal!
    Tudo bem?
    Hoje eu quero falar  um pouco sobre o filme bem interessante chamado The Last Supper ou melhor, O Último Jantar, dirigido por  Stacy Title em 1995 e participou do Festival de Toronto.








Título: O Último Jantar
Título Original: The Last Supper
Ano: 1995
Dirigido por: Stacy Title
Roteiro: Dan Rosen
Elenco: Cameron Diaz, Ron Eldard, Annabeth Gish, Jonathan Penner, Courtney B. Vance, Ron Perlman e outros.
Duração: 1h e 32 Min
Sinopse: Um dos cinco moradores de uma casa em Iowa convida para jantar um homem que lhe deu uma carona, mas à noite sofre uma reviravolta quando o recém-chegado ataca um dos seus anfitriões e acaba sendo morto pelos amigos destes. Após este episódio os 5 concluem, que deixaram o mundo melhor matando-o e passam a, rotineiramente, convidar para jantar pessoas com tendências radicais, sendo que se defenderem argumentos descabidos são envenenadas durante a refeição.





Humor Negro

      Essa semana eu assisti no canal Max Up, um filme que há um tempo eu tinha assistido e gostado bastante. O Último Jantar é aquele tipo de filme que considero uma pérola, porque ele tem uma mistura de humor negro e faz  questionar o politicamente correto de forma bem irônica.
     O filme começa apresentando um grupo de estudantes universitários que inicialmente, se consideram  pessoas tolerantes e  intelectuais,  que dividem uma pequena casa  no estado de Iowa. A cidade está em estado de alerta graças ao desaparecimento de uma criança, mas para os cinco amigos, receber convidados aos domingos para o jantar e desfrutar de assuntos de extrema importância é o que importa para continuarem com suas mentes  abertas e livre de preconceitos.
     Em uma noite chuvosa os amigos Pete,  Jude, Marc, Luke e Paulie receberiam uma convidada que Pete ( Ron Eldard ) foi buscar, contudo a convidada não aparece no local marcado e o carro de Pete estraga no caminho. Por sorte, Pete  consegue uma carona com um desconhecido chamado Zach ( Bill Paxton ) e Paulie ( Annabeth Gish ) convida Zach para a refeição com eles sem saber que o desconhecido é um homicida perigoso.
    Durante o jantar, Zach mostrou uma personalidade agressiva e violenta, apontando pensamentos xenófobos e anti-pacifista. Os cinco amigos ficaram chocados com os pensamentos de  Zach e no momento que Zach e Luke ( Courtney Vance ) estavam em desavença, Zach rapidamente pegou a faca que estava na mesa e colocou no pescoço de Marc ( Jonathan Penner ). Após um confronto físico com Pete, Zach acaba sendo morto com a faca cravada nas costas.
    Apavorados com a situação, os amigos enterram  o corpo de Zach no quintal alegando o ato como legítima defesa, pois Zach era um fascista e o mundo tornaria melhor sem ele. Entretanto, durante uma conversa após o jantar, Jude ( Cameron Diaz ) nutre uma ideia bizarra que começa amadurecer na  mente de cada amigo. 



    
      A partir daí, os  convidados que apareciam para jantar  estavam submetidos a um pequeno julgamento, onde todos os convidados tinham direito de defesa, embora nenhum deles sabiam que estavam sendo julgados e os reprovados eram induzidos a tomar um vinho envenenado.
     No tribunal dos amigos um padre homofóbico que achava que a Aids era castigo de Deus, um machista radical que considerava os homens dominadores e as mulheres sexo frágil, uma moça que detestava arte contemporânea e um sujeito contra o meio-ambiente e que não acreditava no  efeito-estufa são algumas das vítimas do julgamento dos tolerantes.
    No entanto, Jude e Marc começam a perceber que eles estão indo longe demais e não estão dando seus oponentes a chance de mudar seus princípios e sobreviver  ao último jantar. Enquanto Luke, Paulie e Pete ainda consideram a situação  como pura justiça.
    Ao mesmo tempo, a policial Alice ( Nora Dunn ) está investigando o desaparecimento da criança e chega a casa dos amigos  com várias fotos de alguns possíveis suspeitos e encontra um jardim cheio de flores e repleto do tomates bem suculentos.
    O filme questiona uma ideia bem interessante. No inicio da história, eles eram considerados tolerantes, liberais e gostariam de fazer a diferença. Mas durante o filme, os cinco vão entrando em confronto entre si e com as próprias opiniões e cada vez que uma vítima era envenenada e enterrada no quintal, eles foram demonstrando que estavam se tornado intolerantes  como as vítimas.
   O desfecho com a última vítima no jantar é surpreendente e mesmo que o filme seja de 1995, eu acho que vale a pena conferir para tirar suas próprias conclusões sobre o direito de liberdade, respeito de aceitar cada opinião e como a superioridade domina o indivíduo que não sabe lidar com a opinião de outras pessoas. Assistam!



   

      Já assistiu O Último Jantar?
      Comente sobre ele. Sua opinião é muito importante para o blog.
      Deixe seu link para que eu possa retribuir. 
     Obrigada e volte sempre.


 renata massa