2 de dezembro de 2017

[ Resenha ] O Melhor que Podíamos Fazer | Thi Bui


   Olá pessoal!
   Tudo bem?
   Hoje eu trago para vocês a resenha  do livro O Melhor que  Podíamos Fazer escrito e ilustrado pela  Thi Bui e publicado pela Editora Nemo do Grupo Autêntica.
  

. Título: O Melhor que Podíamos Fazer
. Título Original: The Best We Could Do
. Editora: Nemo
. Autora: Thi Bui
. 1ª Edição
. Ano: 2017
. 330 Páginas
. ISBN: 978-85-8286-413-5
. Tradução: Fernando Scheibe
. Sinopse: Esta é uma história sobre a busca por um futuro melhor e saudosismo pelo passado. Explorando a angústia da imigração e os efeitos duradouros que o deslocamento tem sobre uma criança, Bui documenta a difícil fuga de sua família após a queda do Vietnã do Sul, na década de 1970, e as dificuldades que enfrentaram para construir uma nova realidade. O melhor que podíamos fazer traz à vida a jornada de Thi Bui em busca de compreensão e fornece inspiração a todos aqueles que anseiam por um futuro melhor enquanto recordam o passado de privações.



 Livro  oferecido gentilmente pela Editora Nemo do Grupo Autêntica.
 Cortesia do Doces letras
 



Uma Graphic Novel Bem Sensível!

    O  Melhor que  Podíamos Fazer é um livro de memórias gráficas publicado em quadrinhos. Com uma história autobiográfica bem sensível, a Thi Bui conta sua origem e a  origem dos pais que saíram do Vietnã na década de 70 no período da guerra do Vietnã.

    A história começa em Nova York no hospital Metodista no dia 28 de Novembro de 2005, com Thi Bui em trabalho de parto na presença do marido Travis e sua mãe chamada Má, que tinha vindo da Califórnia para ajudá-la.

    Após o nascimento do filho, Thi Bui começa a refletir e questionar a transição de uma  filha que tornou-se  mãe pela primeira vez, as escolhas que os pais buscam para um futuro melhor para seus filhos e ao mesmo tempo, tentar entender a força e a motivação que levou seus pais a fugir de  um país que estava em decadência e  recomeçar do zero em  outro país com muita dificuldade de adaptação.

   A partir deste ponto, a história retorna ao passado, resgatando profundamente  as raízes  e os laços que a família da Thi Bui construiu ao longo dos anos. Como foi a infância dos pais, como Bô e Má se conheceram e como foi o nascimento dos seis filhos em situações precárias, com muita pobreza em um  país que estava em caos e tomado pela guerra.

     Contudo a história é abordada de forma leve, pois a família é protagonista de um período histórico bem conturbado. Thi Bui também conta a história do Vietnã conectando no momento da segunda guerra mundial. Ela menciona a Guerra Civil dentro do Vietnã também conhecida como Guerra Indochina, que os Estados Unidos interferiu enviando soldados e armamentos de guerra.

   Mesmo  abordando assuntos de muita importância, a leitura  foi extremamente prazerosa e cativante, porque Thi Bui se coloca no lugar da mãe mostrando a todo momento que a Má era uma verdadeira heroína da história.

    Ela não deixa de contar a história do pai e todas as atitudes e decisões que  ele precisou tomar, no entanto Thi Bui deixa bem claro que quem realmente é a força da família é a Má.Também relata os julgamentos e mágoas que ás vezes os filhos criam em torno dos pais, sem saber por qual motivo levou eles tomarem determinadas atitudes e só passam compreender melhor depois que são colocados no lugar dos pais.

    A narrativa é completamente dinâmica, misturando o presente e o passado de forma interessante. Thi Bui conseguiu contar a história de cada membro da família de maneira delicada.

    Além de escrever a história, Thi Bui também é a ilustradora do livro. Ela usou a arte que estudou nos quadrinhos em  preto e branco, com  vários tons alaranjados e avermelhados que deixou a edição magnífica.  A capa e o título correspondem perfeitamente com o enredo.

   É um projeto  maravilhoso que vale a pena demais ter em mãos para ler. Recomendo para todos os leitores que apreciam leituras em quadrinhos, com períodos históricos e assuntos atuais.




 
 

“Meus pais fugiram do Viêt Nam num barco para que seus filhos crescessem em liberdade. Talvez eu pudesse ser um pouco menos ingrata.”
 ( pág. 30 )



   Sobre a autora: 
   Thi Bui nasceu no Vietnã e imigrou para os Estados Unidos ainda criança. Estudou Arte e Direito e considerou se tornar uma advogada de direitos civis, mas, em vez disso, virou professora de escola pública. Bui mora em Berkeley, Califórnia, com o filho, o marido e a mãe. O melhor que podíamos fazer é sua primeira graphic novel.

   Já leram  O Melhor que Podíamos Fazer?
   Tem interesse em lê-lo?
   Então deixa sua opinião nos comentários.