24 de agosto de 2019

[ Resenha ] Rosas de Maio | Dot Hutchison


  Olá leitores!
  Tudo bem?
  Hoje eu trago minha opinião sobre Rosas de Maio escrito pela Dot Hutchison que faz parte da série O Colecionador e está sendo publicado pela Editora Planeta de Livros Brasil. Confira a eletrizante sequência do livro O Jardim das Borboletas.


. Título: Rosas de Maio
. Título Original: The Rose of May
. Autora: Dot Hutchison
. Editora: Planeta de Livros Brasil
. Série: O Colecionador #2
. 1ª Edição
. Ano: 2019
. 304 Páginas
. Tradução: Débora Isidoro
. ISBN: 978-85-422-1661-5
. Sinopse: Quatro meses se passaram após a descoberta do Jardim e de suas “borboletas”: jovens mulheres, sequestradas e mantidas em cativeiro por um homem brutal e obsessivo, conhecido apenas como Jardineiro. O inverno está chegando ao fim, e as Borboletas esperam ansiosamente por dias mais quentes e tranquilos. Para os agentes Brandon Eddison, Victor Hanoverian e Mercedes Ramirez, no entanto, a calma não parece valer: em outra parte dos Estados Unidos, mais uma jovem surge brutalmente assassinada. Os indícios apontam para a ação de mais um serial-killer psicopata, capaz não apenas de matar a sangue frio, mas também de elaborar a cena a ser descoberta: a jovem é descoberta no altar de uma velha igreja, com a garganta cortada e o corpo rodeado de flores.

Cortesia da Editora Planeta
COMPRAR: AMAZON | EDITORA | SARAIVA
Resenha do livro anterior:
Formidável!

    A série O Colecionador tornou-se uma das favoritas da minha estante, especialmente após ler a sequência do livro O Jardim das Borboletas que ofereceu uma história arrepiante. Neste segundo livro, Rosas de Maio, a Dot Hutchison conseguiu dar uma continuação formidável para série e confesso que estou encantada com a escrita da autora. 

    Em Rosas de Maio, o leitor tem a chance de mergulhar direto em outro caso com um novo serial Killer. Após quatro meses da descoberta do Jardim onde várias meninas eram sequestradas, mantidas num cativeiro decorado como se fosse um jardim e submetidas em eventos assustadores promovido por um homem completamente obsessivo e cruel, Dot Hutchison  apresenta a personagem Priya Sravasti.

    Priya é uma jovem  que está tentando normalizar sua vida ao lado sua mãe Deshani, depois que sua irmã  Chavi foi assassinada pelo Serial Killer. Dessa forma elas sempre estão de mudança, esperando ter um novo recomeço. Acontece que Priya também possui características no perfil que desperta interesse no assassino e por razões que não posso contar para não estragar a experiência, a vida de Priya está correndo perigo.

“Ela não está aqui e isso dói muito, dói de um jeito que não faz nenhum sentido, porque tudo que dói desse jeito deveria sangrar, sair da gente, deveria poder ser consertado, e isso não pode.” 
( pág. 22 )  

  
    Em O Jardim das Borboletas fiquei inteiramente impressionada com a forma que a autora conduziu a história. Senti várias emoções  que não imaginava ter com a Inara narrando os acontecimentos perturbadores dentro do jardim. Aliás, ainda continuo recomendando o primeiro livro para leitores que tenham estômago suficientemente forte. Ao terminar de ler Rosas de Maio, o livro deixou a sensação que a autora  levou o enredo  mais para o lado policial do que um thriller arrepiante como foi o livro anterior.  Esse elemento não foi nenhum ponto negativo para a série, particularmente foi ao contrário. 

     Aqui encontrei mais ação e emoção enquanto o tenebroso Serial Killer que deixou vários trechos contando como conquistou e matou suas vítimas friamente. Esses trechos surpreenderam e fizeram muita diferença durante a leitura. Este Serial Killer foi repulsivo quanto o anterior, contudo a experiência de não saber quem era o assassino que estava cometendo  os crimes, juntamente com a escrita envolvente da autora, deixou tudo mais interessante.   

    Neste segundo livro, também deu para perceber que a autora optou em mostrar cada caso diferente em cada livro, mas ela não abandonou a história anterior.  Isso foi  muito bacana, pois  ainda sabemos o que está acontecendo com as meninas que  foram capturadas pelo jardineiro. Embora elas não sejam as personagens centrais da história como antes, o leitor tem a oportunidade de saber como elas estão lidando fora do jardim. Especialmente Inara que narrou à história anterior.

“Você sabe melhor do que ninguém como o mal se esconde à vista de todos.”
 ( pág. 220 ) 


    A ligação com o caso das borboletas e a história deste livro são os agentes Brandon Eddison, Victor Hanoverian e Mercedes Ramirez. Algumas comparações com o livro anterior foi inevitável, uma delas foi a personalidade do agente Eddison, neste livro,  ele está especialmente mais simpático. Ele deixou a sensação que estava no papel de irmão mais velho em relação à Priya. Por causa da aproximação e o instinto de proteção com a jovem. Os casos são diferentes, mas  aconselho que leia O Jardim das Borboletas primeiramente,  para ficar familiarizado com o enredo que Dot está proporcionando.  

   Quero parabenizar a editora Planeta de Livros Brasil pela edição caprichada com diagramação impecável nas folhas amareladas. Cada livro contém capa dura e estão sendo publicados da mesma maneira das capas estrangeiras, cada uma mais linda do que a outra. Cada livro da série vale a pena adquirir, mas precisa gostar do gênero para embarcar na história e disposição de sair da zona de conforto literário. Pensando assim a série tem a chance de torna-se belíssima. 

   Enfim, todos os detalhes que contei é apenas  começo e depois que terminei a leitura, a rosa da capa teve outro significado. Simplesmente torne-me fã da autora. Recomendo que leia os dois livros da série O Colecionador. Se já leu O Jardim das Borboletas aconselho que leia Rosas de Maio, pois a história está sensacional.  Já estou desejando o próximo volume da série para continuar surpreendendo com a Dot. Se você gosta de histórias com enredo forte, repleto de mistério e suspense, então, sem dúvida, irá apreciar Rosas de Maio. 



  Sobre a autora:
 Dot Hutchison é escritora, dedicada especialmente ao público jovem-adulto. Possui interesses bem diversificados, indo de teatro, queda-livre e “xadrez humano” em feiras renascentistas a navegar horas e horas pelas páginas da Wikipedia (às vezes, as pesquisas não têm muito a ver com as histórias que ela escreve, como naquela vez em que Dot leu sobre São Jorge ter passado o resto de seus dias arrependido por ter matado o dragão). O jardim das borboletas é o primeiro livro  da série Colecionador.

  Já leu Rosas de Maio?
  Tem interesse em lê-lo?
  Então vamos conversar sobre ele. Deixa sua opinião nos comentário. 


4 comentários:

  1. Olá adorei a resenha e saber sobre a obra já li o jardim das borboletas e fiquei impactada com este livro pelo seu conteúdo tão intenso e marcante, espero ler em breve este também!

    ResponderExcluir
  2. Oiii Kênia

    Eu tenho O Jardim das Borboletas pendente pra ler e estou bem curiosa com essa leitura, fico feliz em saber que esse foi fenomenal, série boa é dessas que vai mantendo o nível. Dica anotada.

    Beijos, Alice

    www.derepentenoultimolivro.com

    ResponderExcluir
  3. Eu gostei tanto do Jardim das borboletas, que quando vi o lançamento deste já fiquei empolgada. E a sua resenha só me deixou mais animada, pretendo ler em breve <3

    Sai da Minha Lente

    ResponderExcluir
  4. Ainda não li nenhuma obra da autora, mesmo Jardim das Borboletas já estando na minha lista de leitura (que é interminável rsrs). Sua resenha só me mostra que estou perdendo de conhecer ótimas histórias, acho que preciso mudar isso!

    ResponderExcluir