9 de setembro de 2019

[ Resenha ] It - A Coisa | Stephen King


Olá leitores!
Tudo bem?
Hoje eu trago para vocês a minha opinião sobre It – A Coisa, escrito pelo Stephen King e publicado pelo Editora Suma de Letras.


. Título: It – A Coisa
. Título Original: It
. Autor: Stephen King
. Editora: Suma de Letras
. Ano: 2014
. 1104 Páginas
. Tradução: Regiane Winarski
. ISBN: 978-8560280940
. Sinopse: Durante as férias de 1958, em uma pacata cidadezinha do Maine, Bill, Richie, Stan, Mike, Eddie, Ben e Beverly aprenderam o real sentido da amizade, do amor, da confiança... e do medo. O mais profundo e tenebroso medo. Naquele verão, eles enfrentaram pela primeira vez a Coisa, um ser sobrenatural e maligno que deixou terríveis marcas de sangue em Derry. A Coisa volta a atacar e eles devem cumprir a promessa selada com sangue que fizeram quando crianças. Só eles têm a chave do enigma. Só eles sabem o que se esconde nas entranhas de Derry.




COMPRAR: AMAZON | EDITORA

Maravilhoso!

   It- A Coisa deve ser a obra mais conhecida de Stephen King, mas confesso que ainda não tinha lido este calhamaço, mesmo sendo fã das obras e filmes adaptados de King. Mas com o desafio da Editora Suma de Letras convidando os leitores para lê-lo enquanto aguardava ansiosamente a segunda parte da versão cinematográfica de It, resolvi encarar o desafio e peguei emprestado o exemplar na biblioteca da minha cidade. Lendo e rezando de pés juntos para mais nenhum leitor reservá-lo na biblioteca e assim, fui renovando todas as semanas para conseguir concluir a leitura. 

   Antes de começar elogiar a história, vou contar um pouco sobre ela, para quem não conhece o enredo em versão literária. Em It – A Coisa, o leitor vai ser transportado para o verão de 1958, em Derry, para conhecer Bill, Richie, Ben, Eddie, Stan, Mike e Beverly, também conhecidos como Clube dos Otários. Inicialmente o livro relata a triste  morte de Georgie, irmão caçula de Bill, enquanto estava brincando com o seu barquinho de papel   durante a chuva. Georgie caiu numa armadilha criada pelo Pennywise e foi atacado pela criatura estranha ou entidade que pode assumir qualquer forma para assustar e assassinar as crianças da região. Porém na maioria das vezes, assume a forma de palhaço.

    Após a morte de Georgie, Bill presenciava sua família desmoronar. O que tornava a vida de Bill um pouco mais fácil era passar alguns momentos na companhia dos amigos do clube dos Otários. Contudo, Bill, Bev, Ben, Eddie, Richie, Stan e Mikey, presentem a presença maligna na cidade e com o intuito de vingar a morte de Georgie, ele ficam frente a frente com Pennywise. 

    Vinte e sete anos depois, os sete amigos não são mais crianças de onze anos e cada um está cuidando da sua vida e suas carreiras profissionais. O único que resolve permanecer em Derry é o Mike. Ele foi o único membro do clube dos otários a dedicar sua vida de maneira diferente e ao perceber um novo ciclo de assassinatos na Cidade, Mike decide entrar em contato com os amigos para reatar e enfrentar novamente Pennywise. 


“ Bill gago nunca esqueceu essa melodia, e mesmo muito anos depois, ela sempre lhe deixava com a pele dos braços e das costas arrepiada; seu coração ficava apertado e ele lembrava: Minha mãe estava tocando isso no dia que Georgie morreu.”
 ( pág. 19 ) 


    Não posso falar muito para não dar spoiler, contudo ler It – A coisa é muito mais do que uma história de terror com os membros do Clube dos Otários enfrentando o palhaço Pennywise, como a maioria está conhecendo nos filmes. Isso não é um ponto negativo, até confesso que sou apaixonada pelas adaptações cinematográfica, mesmo tendo os defeitos que os críticos apontam sobre elas e particularmente, estou encantada com a nova versão de It. 

   As versões literárias das obras são enriquecedoras, sempre transmitindo emoções variadas e sempre consigo perceber as monstruosidades humanas que King mostra em suas histórias. No caso de It, a história não é contada de forma linear. Stephen King optou em mesclar o tempo narrativo, mostrando o passado que ocorreu em 1958 e no tempo atual da história com os personagens principais vivendo em 1985. 

     Para o leitor que ainda não conhece a forma que Stephen King escreve, aconselho que leia ciente que é uma escrita bastante descritiva e isso requer um pouco de paciência, pois às vezes deixa a sensação que a leitura não está desenvolvendo. Entretanto é exatamente nos detalhes do cenário, dos personagens que o leitor consegue perceber a qualidade que a obra tem para oferecer. Um exemplo disso é a cidade Derry. Ela é tão minuciosamente descritiva que a cidade ganhou vida durante a leitura. 


"Vá embora e tente continuar a sorrir. Ouça um pouco de rock-and-roll no rádio e vá em direção a toda vida que existe, com toda a coragem que você consegue reunir e toda a crença que tem. Seja verdadeiro, seja corajoso, enfrente! Todo o resto é escuridão."
 ( pág. 1099) 


    King explora assuntos fortes como pedofilia, estupro, racismo, homofobia e várias crises familiares em torno dos medos, angustias e desvios de comportamento em torno da infância do Clube dos Otários, da história de Derry e dos outros personagens secundários. Incluindo os valentões perigosos da escola. Mas, na medida em que a leitura vai avançando, o leitor também encontra união, amizade e especialmente superação. A  Coisa pode ser mais real do que parece e só a força da superação que uma pessoa consegue libertação dos próprios demônios.

    Não vou negar que o livro  contém vários elementos bizarros e momentos exagerados em torno do Pennywise e o Clube dos Otários, especialmente o laço que King criou para entre os garotos com Beverly. É uma cena que pode desassossegar alguns leitores, mas não me incomodou. Exagero ou não, acho que vale a pena cada página do livro. 

    O único defeito do livro foi deixá-lo novamente na biblioteca. Assim que devolvi para biblioteca fiquei com a sensação de luto, pois não tenho um exemplar na minha estante juntamente com os outros livros do king e foi uma das melhores leituras do ano. Mas esperança de leitor nunca morre e ainda vou ter essa instigante  história na minha estante. 

   Enfim, meu apego com os personagens da história ficou ainda maior. Só me resta conferir como a segunda parte da história ficou na versão cinematográfica. Mas isso é assunto para outro post.  Recomendo para todos os leitores que apreciam o gênero e não tem medo de encarar um calhamaço.


  Sobre o autor:
  Stephen King é autor de mais de cinquenta livros best-sellers no mundo inteiro. Os mais recentes incluem Revival, Mr. Mercedes, Escuridão total sem estrelas (vencedor dos prêmios Bram Stoker e British Fantasy), Doutor Sono, Joyland, Sob a redoma (que virou uma série de sucesso na TV ) e Novembro de 63 (que entrou no TOP 10 dos melhores livros de 2011 na lista do New York Times Book Review e ganhou o Los Angeles Times Book Prize na categoria Terror/Thriller e o Best Hardcover Novel Award da Organização International Thriller Writers). Em 2003, King recebeu a medalha de Eminente Contribuição às Letras Americanas da National Book Foundation e, em 2007, foi nomeado Grão-Mestre dos Escritores de Mistério dos Estados Unidos. Ele mora em Bangor, no Maine, com a esposa, a escritora Tabitha King.

   Já leu It – A Coisa?
   Tem interesse em lê-lo?
   Então deixa sua opinião nos comentários. Vou adorar conhecê-la.



2 comentários:

  1. Confesso que o tamanho do livro me assusta um pouco, principalmente por não ser um gênero que me agrada muito. Mas já pode ser considerado um clássico, né? Gostei de ler sua opinião sobre ele.
    Beijos
    Mari
    Pequenos Retalhos

    ResponderExcluir
  2. Oiii Kênia

    It - A Coisa é um dos eternos pendentes da minha listinha, mas sempre acabo deixando passar por conta do número grande de página,s fico com receio de me cansar. Mas são tantas resenhas empolgantes, elogiando a obra que vou ficando cada vez mais curiosa.

    Beijos, Alice

    www.derepentenoultimolivro.com

    ResponderExcluir